Palácio Solar dos Pinheiros



BARCELOS (Portugal): Palácio Solar dos Pinheiros.

Considerado um "(...) edifício de grande relevo arquitectónico e muita carga simbólica (...)", pelo facto de a sua fundação estar ligada à família dos alcaides de Barcelos e ouvidores do duque de Bragança (ALMEIDA, Carlos A. F., 1990, p. 50), o Solar dos Pinheiros terá sido edificado em meados do século XV por Pedro Esteves, doutor em direito civil. O edifício que chegou aos dias de hoje é resultado de quatro grandes reformas executadas entre os séculos XV e XVII que estão bem patentes na "(...) diversidade de soluções e de formas decorativas ou simbólicas (...)"(Idem, ibidem).
Do núcleo primitivo da casa subsistem os portais do piso térreo, uma vez que a actual fisionomia do solar, um corpo central de planimetria rectangular enquadrado por duas torres, deverá ser originária da primeira grande campanha reformadora mandada executar nos últimos anos do século XV por Álvaro Pinheiro, filho do fundador da casa. Esta campanha de obras originou um modelo de arquitectura senhorial que, embora sem possuir ameias, terá sido inspirado no paço edificado em Ponte de Lima por D. Leonel de Lima (Idem, ibidem), sendo utilizado na arquitectura civil senhorial desde os finais da Idade Média até ao período barroco.
No segundo quartel do século XVI foi executada uma terceira campanha de obras, que visou não só a transformação da estrutura como o enriquecimento do programa decorativo das fachadas do paço. Desta época subsistem algumas janelas decoradas com motivos ao romano , motivos que se estendem à cornija de um dos torreões, possivelmente ampliado na época, e uma varanda situada no pátio interior, sustentada por uma loggia e com janelas de gelosias no piso superior.
Se ainda na centúria de Quinhentos os proprietários patrocinaram a construção de um segundo piso na zona de habitação, também no século XVII foram feitos diversos acrescentos na área habitacional.
O interior do solar foi muito alterado por uma reforma revivalista executada no segundo quartel do século XX, na qual foram executados diversos elementos decorativos e estruturais de gosto neogótico, neomanuelino e neoárabe, como as lareiras das salas interiores, ou os azulejos que revestem a escadaria principal.
Catarina Oliveira

info: www.igespar.pt/pt/patrimonio/pesquisa/geral/patrimonioimo...

Comentários